Trabalhadores do Lidl vencem acção em tribunal e confirmam direito a pausa diária de 15 minutos

Lidl impôs obrigatoriedade dos trabalhadores compensarem ao final do dia os 15 minutos de pausa.

Os trabalhadores, depois de muitas lutas, decidiram avançar para tribunal e agora viram a justiça a ser feita.

Empresa terá agora de pagar aos trabalhadores todos os 15 minutos trabalhados como trabalho suplementar e reorganizar os horários de trabalho retirando a obrigatoriedade da compensação.

 

Todos os trabalhadores devem exigir ter o direito à pausa sem obrigatoriedade de compensação!

 

Maio/2017

Trabalhadores do Pingo Doce do Pinhal Novo reclassificados e corrigidos os seus vencimentos

Os trabalhadores do Pingo Doce da loja do Pinhal Novo que se encontravam a estagiar e classificados como operadores de supermercado e a exercer funções de chefia, com o apoio do CESP e intervenção da ACT (Autoridade para as Condições no Trabalho) foram correctamente classificados e corrigidos os seus vencimentos.

TRABALHADORA DO PINGO DOCE/SÁ BANDEIRA/PORTO  DESPEDIDA ALEGADAMENTE COM JUSTA CAUSA FOI REINTEGRADA NO SEU POSTO DE TRABALHO POR DECISÃO JUDICIAL

A sentença do Tribunal da Comarca de Porto – 1ª Secção Trabalho – J3 confirmada pelo Acórdão Tribunal da Relação do Porto de 20.06.16 consideram que merecendo a conduta da trabalhadora censura nunca deveria ter sido sancionada com o despedimento, “por desproporcional e excessiva”.

 

 

 

A trabalhadora admitida em Maio de 2000 (tinha 15 anos de vinculo à empresa), despedida a 01.04.2015 será, assim reintegrada e retomará as suas funções de Operadora na Loja de Sá da Bandeira/Porto a partir de 11 de Julho de 2016!

 

 

 

Este despedimento alegadamente por faltas injustificadas não teve em consideração os problemas de saúde da trabalhadora (padece de asma e diabetes) que lhe provoca indisposições imprevistas que a incapacitam para o trabalho, as suas dificuldades e debilidades pessoais e económicas.

 

 

 

A falta de sensibilidade e desumanização das relações laborais no Pingo Doce/Jerónimo Martins são evidentes e esta dupla decisão judicial favorável à trabalhadora é uma importante vitória de todos aqueles que trabalham e lutam nas lojas Pingo Doce pela dignidade e justiça laboral.

 

 

 

 

08 de JULHO16

 

 

SINDICALIZA-TE!

 

Com a intervenção do CESP mais um trabalhador da FNAC passou a efectivo

Com a intervenção do CESP mais um trabalhador da FNAC (loja FNAC do CascaiShopping) a quem a FNAC tinha enviado comunicação de rescisão do contrato de trabalho a termo certo passou a efectivo.

 

Como acontece muito nesta empresa, o trabalhador estava exercer funções de caracter permanente mas a FNAC contratou-o a termo certo por “acréscimo excepcional de trabalho”. Ora este tal acréscimo já decorria há 21 meses!

 

O CESP interveio e o trabalhador passou a efectivo.

 

Vale a pena lutar!

PARA OS TRABALHADORES DA EX-UNICERVI FEZ-SE JUSTIÇA AO FIM DE 17 ANOS!

Os Trabalhadores da Falida Unicervi, em Palmela, vão começar a receber os valores que lhes são devidos.

 

O Tribunal do Comércio de Lisboa iniciará o pagamento aos ex-trabalhadores da Unicervi, dos valores que lhes são devidos pelos salários em atraso e pelos despedimentos, no seguimento do processo de Falência que se arrasta nos tribunais desde 1999.

 

Para receberem os seus valores os ex-trabalhadores ou os seus herdeiros, deverão deslocar-se ao Tribunal do Comércio de Lisboa (junto ao Campus da Justiça no Parque das Nações), a partir de amanhã, para levantar o seu cheque. Para o fazer deverão fazer-se acompanhar de todos os seus documentos identificativos (BI e n.º de contribuinte fiscal).

 

Todos os que não se possam deslocar ao tribunal para levantar o seu cheque, deverão deslocar-se ao CESP - Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal, para tratar de todos os procedimentos com vista ao recebimento do valor que lhe é devido.

 

Fez-se justiça, pese embora o tempo longo em que o processo se arrastou nos tribunais, e isso é o mais importante para estes trabalhadores e suas famílias.

Misericórdia de Estarreja obrigada a pagar os descontos que fez nas horas de amamentação de uma trabalhadora

Apesar de toda a legislação de protecção da maternidade, a verdade é que muitas vezes esta não é respeitada e a Misericórdia de Estarreja é exemplo disso.

 

No passado mês Fevereiro descontou a uma trabalhadora as horas de amamentação, alegando que a mesma não teria apresentado o comprovativo de amamentação, o qual não é obrigada a apresentar mensalmente.

 

Perante tal situação o CESP, pediu intervenção da CITE (comissão de igualdade no trabalho e emprego) e da ACT (autoridade para as condições do trabalho).

 

Após intervenção de todos, CESP, CITE e ACT, o valor descontado foi devolvido à trabalhadora no decorrer do mês de Março.

 

VALE SEMPRE A PENA LUTAR!

TRABALHADOR(a) SINDICALIZADO(A)! ESTÁ MAIS SEGURO!

 

DHL obrigada a reintegrar nos quadros da empresa trabalhador com contrato a termo que pretendia despedir

O trabalhador do armazém da DHL de Vila Nova da Rainha – Azambuja, foi informado por escrito, em Fevereiro deste ano, de que não era intenção da empresa proceder à renovação do contrato a termo certo.

 

Ora o trabalhador estava há 2 anos a trabalhar com contrato a termo com a DHL e já estava a trabalhar na DHL antes de Maio de 2015, através de contrato de trabalho temporário de uma agência de trabalho temporário, a Synergie.

 

Como o contrato individual do trabalhador não apresentava motivo justificativo para fundamentar a necessidade de contratar a termo, a isto acrescendo outras ilicitudes na sua contratação a termo, o trabalhador decidiu, com o apoio do CESP, contestar o seu despedimento.

 

Como a empresa se recusou a resolver voluntariamente a situação, o CESP actuou, denunciando a mesma à Autoridade para as Condições no Trabalho (ACT)

 

Em resposta a ACT informou o CESP que, na sequência do seu pedido de intervenção perante a empresa a DHL Excel Supply Chain, Lda, “o trabalhador … passou a integrar o quadro de pessoal desta empresa.”

 

Mais um trabalhador que lutou pelo seu posto de trabalho, mais um trabalhador que venceu!

El Corte Inglés define salário mínimo para 600€

No comércio da grande distribuição mais uma grande empresa anunciou, por escrito aos trabalhadores, que o salário mínimo na empresa passa para os 600€.

Lidl comunica formalmente o aumento dos salários dos operadores em 35 euros mensais a partir de Março de 2016.

Lidl comunica formalmente o aumento dos salários dos operadores em 35 euros mensais a partir de Março de 2016.
Depois do aumento do salário mínimo de entrada na empresa e a sua fixação em Janeiro de 2016 nos 600 euros, Lidl comunica agora o aumento dos salários dos operadores de I (nível II no regulamento interno) e dos operadores especializados (nível III do regulamento interno) em 35 euros mensais e a sua fixação, respectivamente em 690 e 790€.
O CESP valoriza este aumento de salários, até porque é feito no seguimento de várias lutas dos trabalhadores que há já 5 anos não tinham qualquer aumento do seu salário base, mas não baixa os braços relativamente a todas as outras matérias inscritas no Caderno Reivindicativo subscrito pelos trabalhadores e que até ao momento ainda não tiveram aceitação por parte da empresa.

Continuaremos a insistir com o agendamento de uma reunião para tratar das restantes matérias ainda por solucionar.

Brisa condenada a pagar custos com deslocações

2 trabalhadores transferidos, contra a sua vontade, do centro operacional de Coina para o centro operacional de Carcavelos, contestaram desde o início os valores pagos pela Brisa para suportar o aumento de custos com tal transferência e viram agora o tribunal do Barreiro dar-lhes razão, condenando a Brisa ao pagamento adicional dessas despesas desde o momento da transferência há 59 meses, num valor total de milhares de euros.
Perante esta vitória é urgente que a Brisa repense a sua política de recursos humanos.

 

Vale a pena lutar!

Silopor integra no quadro de pessoal 28 trabalhadores de empresas de trabalho temporário

Após muitos anos de contestação do CESP às dezenas de trabalhadores com contrato de trabalho temporário na Silopor (empresa do sector empresarial do Estado), 28 trabalhadores, com mais de 3 anos de vínculos precários, viram, finalmente, o seu contrato de trabalho alterado e a situação laboral destes trabalhadores corrigida, passando a integrar o quadro de pessoal desta empresa do sector empresarial do Estado.

Vale a pena lutar!

Lidl obrigado a repôr pausa de 15 minutos

Tribunal do Trabalho de Setúbal dá razão aos trabalhadores do Lidl no Entreposto da Marateca, considerando que a empresa não pode obrigar os trabalhadores a compensar no final do dia de trabalho a pausa de 15 minutos.

Desde sempre os trabalhadores do Entreposto do Lidl na Marateca tiveram direito a uma pausa diária de 15 minutos, a meio do período de trabalho da manhã.

Em Maio de 2015 a empresa comunica a intenção aos trabalhadores de retirar aos trabalhadores este direito e obrigando os trabalhadores a compensar esses 15 minutos no final do dia de trabalho.

O tribunal vem agora dar razão ao CESP e aos trabalhadores afirmando que as pausas são um direitos dos trabalhadores adquirido pelo uso na empresa desde sempre, obrigando ainda a empresa a pagar os 15 minutos entretanto compensados pelos trabalhadores como trabalho suplementar.

Vale a pena lutar

Lidl Corrige valor hora pago pelo trabalho prestado ao domingo

O Lidl desde há muito tempo vinha pagando incorrectamente o trabalho normal prestado aos domingos aos trabalhadores a tempo parcial, prejudicando os trabalhadores em muitos euros mensais / anuais.

Após várias denúncias e intervenções junto da empresa sobre esta matéria, os trabalhadores viram no final do mês de Janeiro de 2016 o trabalho normal prestado aos domingos pago correctamente, acabando com a discriminação destes trabalhadores.

Vale a pena Lutar.

Trabalhadores da Teleperformance conseguiram a reposição do valor total do prémio de assiduidade

A Teleperformance Portugal anunciou que vai repor o valor total do prémio de assiduidade depois de o ter retirado ilegalmente, como medida de retaliação ao aumento - ainda que reduzido - do Salário Mínimo Nacional para 530 euros.


A decisão de reposição do subsídio de assiduidade não está desligada da denúncia feita pelo CESP, das movimentações assumidas por alguns trabalhadores e da perspectiva da sua organização para a defesa do que é seu.

 


A Teleperformance não mudou nem de objectivos nem de opinião, apenas recuou porque a isso se viu obrigada e isso é um ensinamento para os trabalhadores.

 

Sindicaliza-te! Unidos somos mais fortes para fazer cumprir os nossos direitos!

 

10 trabalhadores da FNAC passaram a efectivos na empresa pela intervenção do Sindicato!

Através da intervenção do CESP, 10 trabalhadores da FNAC com contratos precários passaram a efectivos.

 

A um posto de trabalho permanente tem de corresponder um trabalhador efectivo - esta é a permissa.

 

O interesse dos patrões em ter trabalhadores com vínculos precários é pagar menos, ameaçar os trabalhadores com a não renovação dos contratos de trabalho, pressioná-los a abrir mão dos seus direitos e silenciar os abusos.

 

Os trabalhadores organizados no CESP estão a construir o caderno reivindicativo que responda às reivindicações e aspirações dos trabalhadores. A precariedade não é uma inevitabilidade, Vale a pena lutar!

 

INDITEX - MASSIMO DUTTI OBRIGADA A READMITIR TRABALHADORA E A PAGAR INDEMNIZAÇÃO!

Trabalhadora de loja da Massimo Dutti não se calou face à grave violação dos seus direitos e defendeu-se em tribunal com o apoio do CESP.

 

Em 16 de Dezembro, o Tribunal da Relação de Lisboa condenou a Inditex - Massimo Dutti a reintegrar a trabalhadora no mesmo estabelecimento da empresa, sem prejuízo da sua categoria e antiguidade; pagar 7.500€ a título de indemnização por danos não patrimoniais; pagar todas as retribuições que esta deixou de auferir desde a data do despedimento. Vale a pena Lutar!

Comemoração dos 100 anos da Revolução que transformou o Mundo

Garante os teus direitos. Sindicaliza-te

Contactos CESP
CESP Notícias
Interjovem - CESP Jovem
CGTP-IN